Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes
 
 
Logo Minas Sem Censura Newsletter

Mais Notícias

 
 

Elogiado até pela oposição, Secretário garante investimento na saúde apesar de rombo nas contas

Apesar de ainda ter que desembolsar recursos para convênios firmados pela gestão do PSDB em 2013 e 2014 e para emendas parlamentares do ano passado que o Governo anterior não pagou, o Secretário de Estado da Saúde, Fausto Pereira dos Santos, garantiu nesta quinta-feira (8) que a gestão do Governador Fernando Pimentel (PT) investirá mais que a exigência constitucional de 12% da arrecadação na Pasta. Elogiado e aplaudido até por deputados da oposição durante audiência pública na Comissão de Saúde da Assembleia, ele contou que já foram aplicados 61% do mínimo legal, mesmo com o governo tendo que desembolsar R$ 1,5 bilhão para custear compromissos deixados pela gestão tucana no Executivo.

O secretário participou da reunião para mostrar o desempenho orçamentário da Pasta no segundo quadrimestre do ano. “Antes o Governo desconhecia a Assembleia Legislativa. Governava por leis delegadas e desconhecia as comissões”, salientou o líder do Executivo na Casa, deputado Durval Ângelo (PT), lembrando que a presença de um secretário de Estado em algum colegiado do Legislativo nas gestões anteriores era quase motivo de festa. A presença de Fasuto pela “terceira ou quarta vez” na comissão também foi elogiada por opositores do Governo, como o deputado Carlos Pimenta (PDT) e o presidente do colegiado, Arlen Santiago (PTB).

Uma das cobranças feitas a Fausto Santos foi em relação a rubricas orçamentárias de 2015, que apontavam baixa execução orçamentária. O secretário lembrou que os rombos deixados pelos tucanos impedem novos investimentos. “Temos restos a pagar de 2013 e 2014 que inclusive impossibilitam a rubrica orçamentária desse ano. Não há como empenhar recurso novo se não paguei recursos empenhados de 2013 e 2014”, explicou. “Para cumprir a exigência constitucional, temos que fazer diversos remanejamentos”, acrescentou, ressaltando que o pagamento de compromissos antigos em alguns setores já representará o mínimo legal.

Outra cobrança foi em relação a convênios da Pasta em aberto. Segundo Fausto Santos, há quase 2 mil convênios firmados pela gestão anterior “com 10%, 5% ou 0% pagos”. “Estamos fazendo a gestão de passivo. De acordo com o secretário, do total de convênios, 1,3 mil são relativos à compra de veículos, mas há também casos de obras pesadas. Os valores dos convênios variam de R$ 50 mil a R$ 16 milhões e também há casos em que o Executivo celebrou 25 contratos com uma mesma prefeitura enquanto outras nada receberam ou firmaram apenas um convênio.

“Estamos fazendo uma reavaliação para que eles (convênios) possam ser priorizados e principalmente para que a gente não faça como vinha fazendo o governo anterior, que era a liberação parcial de alguns convênios”, salientou. Fausto lembrou que não adianta liberar apenas parte dos recursos, porque as prefeituras não conseguem executar o objeto e a verba fica parada em uma conta. “São convênios que não trouxeram nenhuma benefício à população”, disse. “Os secretários tiveram ações atabalhoadas. Inclusive em relação às nossas emendas. Era uma secretaria totalmente desorganizada. Não adianta tapar o sol com a peneira”, concordou Carlos Pimenta. O secretário ainda foi aplaudido e recebeu flores de mães de crianças que necessitam de atendimento psicológico e participaram da audiência para protestar.


Logo Minas Melhor Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Rua Rodrigues Caldas, 79 - 3º andar
Santo Agostinho - BH / MG

(31) 2108-7597 minasmelhoroficial@gmail.com
Copyright 2016 Minas Melhor.
Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes