Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes
 
 
Logo Minas Sem Censura Newsletter

Mais Notícias

 
 

Jornalistas reagem à tentativa de golpe e relembram anos de resistência

Discursos em defesa intransigente da democracia brasileira e contra a tentativa de golpe marcaram a reunião especial da Assembleia que lembrou os 70 anos de fundação do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG) na noite de segunda-feira (21/09). Requerida pelo líder do Bloco Minas Melhor, deputado Rogério Correia (PT), e presidida pelo deputado Ricardo Faria (PCdoB), a sessão homenageou quatro decanos do jornalismo mineiro: José Mendonça, Dídimo Paiva, José Maria Rabêlo e Guy de Almeida.

O presidente do SJPMG, Kerison Lopes, lembrou momentos em que os jornalistas mineiros foram “um exemplo, para o Brasil inteiro, de resistência e luta contra todas as formas de autoritarismo e de negação da liberdade”. Em seu discurso, ele enfatizou que o Brasil vive mais um desses momentos, de turbulência política, evocando os jornalistas a agir com responsabilidade para garantir que todos compreendam o que está em jogo. “Não temos o direito de silenciar diante de quaisquer ameaças à democracia e à liberdade de escolha dos brasileiros”, argumentou Kerison, acrescentando que o primeiro e maior compromisso dos jornalistas é com a verdade e contra tentativas de calar a vontade dos eleitores. “Trinta anos já se passaram, desde que nos livramos da ditadura militar. Mas, ainda hoje, temos que nos manter atentos a qualquer iniciativa que ameace a vontade da maioria do nosso povo, que foi expressa pelo sufrágio universal”, disse, se referindo às tentativas de desestabilização do governo Dilma Rousseff.

Emoção

Os instantes mais emocionantes foram os discursos calorosamente aplaudidos dos quatro veteranos, cujas vidas se confundem com a história do Sindicato e do jornalismo mineiro. Aos 98 anos de idade, o ex-presidente e fundador José Mendonça expressou, da tribuna, sua alegria. “Eu só tenho uma coisa a dizer: Deus lhes pague pela alegria que estão me proporcionando e pela saudade que estão despertando em meu coração dos tempos idos e vividos”, disse o jornalista e professor de várias gerações na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Dídimo Paiva, outro ex-presidente homenageado, lembrou que o Sindicato nunca aceitou a ditadura, nem quando a censura era feita diretamente nas redações, e enfatizou que agora também é hora de se manter alerta para cortar na raiz qualquer ameaça. “Ninguém luta pela democracia como os jornalistas”, avisou. No mesmo tom, Guy de Almeida lamentou a perda de credibilidade pela qual passa a imprensa e afirmou que era com alegria que participava daquela reunião de jornalistas, categoria que sempre soube enfrentar situações especiais com muita coragem.

Criador do Binônio, José Maria Rabêlo disse que aquele era um dia importante. “O Sindicato é um símbolo da luta democrática”, observou, acrescentando elogios aos colegas homenageados. “José Mendonça tem quase um século de coerência, Dídimo conduziu a luta contra a ditadura, Guy tem uma carreira estadual, nacional e até internacional, é um exemplo para seus milhares de alunos”, disse. Completou lembrando o episódio de depredação do semanário Binônio por forças militares, em 1961, quando, em defesa da liberdade de expressão, entrou em luta corporal com um general.

Rogério Correia enfatizou que sua trajetória política está intimamente ligada ao Sindicato, desde a histórica greve dos professores estaduais, em 1979. “Foi o Sindicato que abrigou o comando de greve, era o Sindicato que nos emprestava o moderno mimeógrafo a tinta no qual rodávamos o boletim da greve que iria para todo o interior do estado”, recordou. “Isto mostra o espírito democrático do Sindicato dos Jornalistas naquele momento muito importante, do fim da ditadura e renascimento da democracia no Brasil”, acrescentou. Rogério citou a aprovação de projeto de lei de sua autoria que instituiu a Semana Estadual pela Liberdade de Expressão, pela Democratização dos Meios de Comunicação e pelo Direito à Informação Pública.

O deputado Ricardo Faria se disse honrado em presidir a reunião para comemorar os 70 anos de uma entidade de tantas lutas. “Não é possível mais aceitar retrocessos na ordem democrática”, frisou.

Presenças

Fizeram parte da mesa os deputados federais Wadson Ribeiro e Jô Morais (PCdoB), os secretários de estado de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, da Cultura, Angelo Oswaldo, e da Comunicação, Marcus Gimenez; o prefeito de Contagem, Carlim Moura; o vereador Adriano Ventura, representando a Câmara Municipal de Belo Horizonte; o presidente da Belotur, Mauro Werkema; a presidenta da CUT-MG, Beatriz Cerqueira, o presidente da CTB Minas, Marcelino da Rocha, e o diretor da Fenaj e ex-presidente do Sindicato Aloísio Morais, além do deputado Rogério Correia e do presidente Kerison Lopes.

Também estiveram presentes os ex-presidentes do Sindicato Manoel Marcos Guimarães, Luiz Carlos Bernardes, Américo Antunes, Dinorah do Carmo, Aloísio Lopes, Elian Guimarães e Eneida Ferreira, além de diretores da atual gestão e diversos ex-diretores.


Logo Minas Melhor Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Rua Rodrigues Caldas, 79 - 3º andar
Santo Agostinho - BH / MG

(31) 2108-7597 minasmelhoroficial@gmail.com
Copyright 2016 Minas Melhor.
Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes