Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes
 
 
Logo Minas Sem Censura Newsletter

Mais Notícias

 
 

Veto do governador à proposição sobre convocação de servidores e autoridades é mantido

Assessoria ALMG

Edição: Núcleo de Comunicação do Bloco Minas Melhor

Foto: Clarissa Barçante / ALMG

O Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) manteve, na Reunião Extraordinária da terça-feira (17/7), o Veto Parcial à Proposição de Lei Complementar 153, originada do Projeto de Lei Complementar (PLC) 71/17, do governador Fernando Pimentel.

A proposição prorroga o prazo da licença médica dos servidores que já estavam afastados de suas funções quando foram desligados do Estado, em 31 de dezembro de 2015, após a declaração de inconstitucionalidade da Lei Complementar 100, de 2007.

Foram vetados os artigos 2º, 3º e 4º, que pretendiam alterar as legislações estaduais que tratam do Estatuto do Funcionário Público Civil do Estado (Lei 869, de 1952) e da Lei Orgânica da Polícia Civil (Lei 5.406, de 1969).

Esses dispositivos previam que o não atendimento, descumprimento ou recusa da convocação de comissão da ALMG para prestar informação sobre assunto inerente às atribuições do cargo que o servidor ocupa constituirá pena de suspensão (no caso do Estatuto do Funcionário Público) ou transgressão disciplinar.

Em sua justificativa para o veto, o governador ressaltou que a Constituição Estadual especifica os servidores e as autoridades que poderão ser convocados pela ALMG e determina pena de infração administrativa em caso de recusa ou não comparecimento no prazo de 30 dias.

Para Pimentel, os artigos 2º, 3º e 4º, que pretendiam ampliar a obrigatoriedade para todos os servidores civis do Estado e tornar o não cumprimento desse dever uma “falta grave”, ferem a separação dos Poderes, já que tais mudanças competem ao Poder Executivo. A subordinação dos servidores é, como diz a mensagem do governador, aos titulares das secretarias ou órgãos do Estado.

O Veto Parcial à Proposição de Lei Complementar 153 foi relatado pelo líder do governo, deputado Durval Ângelo (PT), que opinou por sua manutenção. 

Veto a atendimento psicossocial em calamidades também é mantido


Também foi mantido o Veto Parcial à Proposição de Lei 23.733, originada do PL 1.821/15. A matéria trata da oferta de ações de atendimento e acompanhamento psicossocial às famílias vítimas de calamidades. Novamente, o relator foi o deputado Durval Ângelo, que opinou pela manutenção do veto.

O governador Fernando Pimental vetou o artigo 2º da proposição que determina que as medidas previstas podem ser implantadas no âmbito de programa governamental de competência do Gabinete Militar do Governador, em especial no que compete à Coordenadoria Estadual de Defesa Civil.

Ele explicou que as ações propostas, para serem eficientes, precisam ser descentralizadas, especialmente levando em consideração a extensão territorial de Minas Gerais.

“É importante destacar que os desastres ocorrem nos municípios, pois neles estão as ameaças e a vulnerabilidade. Em consequência disso, as ações de acompanhamento psicossocial deveriam ser realizadas de modo bem específico no âmbito municipal, pois somente o governo local seria capaz de mensurar o dano e atender cada vítima de acordo com sua necessidade”, afirmou na mensagem que acompanha o veto.
.
Cardápios – Já o Veto Total à Proposição de Lei 23.867 foi derrubado, apesar do parecer pela manutenção emitido pelo deputado Durval Ângelo. 

A proposição prevê a inserção de mensagem educativa em cardápios, listas de preço e material promocional de estabelecimentos que comercializem bebida alcoólica para consumo imediato. As frases devem abordar os riscos da operação de máquinas e veículos sob efeito de álcool.

Nas razões do veto total, o governador Fernando Pimentel justificou que a proposição é inconstitucional, já que o artigo 170 da Constituição da República veda a interferência injustificada e desproporcional na livre iniciativa econômica.

O governador ainda destacou que os custos na fabricação dos materiais promocionais poderiam impactar negativamente nas vendas das empresas, causando transtornos financeiros.

Logo Minas Melhor Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Rua Rodrigues Caldas, 79 - 3º andar
Santo Agostinho - BH / MG

(31) 2108-7597 minasmelhoroficial@gmail.com
Copyright 2016 Minas Melhor.
Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes