Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes
 
 
Logo Minas Sem Censura Newsletter

Mais Notícias

 
 

Marília Campos comemora vitória no Conselho Deliberativo em defesa por Várzea das Flores


Reunião do Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano

Núcleo de Comunicação Bloco Minas Melhor

Foto: Assessoria Marília Campos

A proposta de alteração do macrozoneamento das Bacias de Vargem das Flores e da Pampulha foi reprovada pelo Conselho Deliberativo de Desenvolvimento Metropolitano. A informação foi apresentada durante reunião da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), pela deputada Marília Campos (PT). Ela relatou que a proposta da Prefeitura de Contagem, que quer alterar a expansão urbana para atrair investimentos, foi derrubada por especilistas por colocar em risco o abastecimento de água para milhões de cidadãos.

“Sou favorável à valorização e fortalecimento das gestões municipais, mas defendo um municipalismo que dê conta da gestão das regiões metropolitanas e entenda que certos problemas não se resolvem apenas na esfera municipal. Eles exigem soluções regionalmente integradas”, alertou a parlamentar.

O deputado Geraldo Pimenta (PCdoB) lembrou que as mudanças comprometerão a Zona Rural do município, fundamental para manter a lagoa em condições de abastecer Contagem, Betim e parte da cidade de Belo Horizonte. “Ocupar a região da Várzea com indústrias e povoamento, vai acarretar péssimas condições no local. A Prefeitura de Contagem tem que utilizar os distritos industriais já existentes e não utilizar um local impróprio para isso, segundo apontam todos os estudos técnicos. Nós estamos mostrando para a população os interesses escusos por trás dessa manobra”, denunciou o deputado.

Risco - A reunião do Conselho aconteceu na segunda-feira (6/11), na Cidade Administrativa e foi reprovada pois precisava de três quartos dos votos dos conselheiros presentes, ou seja, 12 votos, mas só obteve 11. A diretora-geral da Agência Metropolitana de Belo Horizonte (ARMBH), Flávia Mourão, analisou a gravidade da situação da bacia e avaliou que a proposta da Prefeitura coloca em risco a produção de água das regiões com adensamentos populacionais e instalação de indústrias em regiões de nascentes. E esclareceu o papel da Agência de promover o desenvolvimento integrado da região metropolitana, articulando as ações das prefeituras e outros atores.

“Essa articulação é decisiva para buscar soluções comuns para problemas comuns aos municípios. É importante também para evitar que as iniciativas isoladas de um município prejudiquem os demais. Isso fatalmente aconteceria se a alteração do macrozoneamento fosse aprovada, devido ao adensamento populacional, redução e poluição de nascentes e redução da cobertura vegetal”, analisou Flávia Mourão.

Áreas industriais
- O Plano Diretor de Contagem, aliás, já prevê áreas de expansão próximo a Nova Contagem, onde existem mais de um milhão de metros quadrados, ainda desocupados, que podem acolher indústrias não poluentes e residências. Segundo a deputada, a prefeitura nunca apresentou estudos dos impactos ambientais e urbanísticos gerados por sua proposta sobre a qualidade e quantidade de água da represa. "Sólidos estudos anteriores, nos quais me apoio, indicam que os riscos seriam enormes para a bacia de Vargem das Flores. Quanto à bacia da Pampulha, a prefeitura de BH demonstrou que a proposta promoveria um adensamento populacional muito maior, com extinção e poluição de nascentes e redução da cobertura vegetal", avaliou.

Marília Campos avaliou que seu mandato já procurou o Ministério Público em Contagem para reiterar as preocupações com os impactos dessa proposta. “Nós denunciamos a fragilidade organizativa e democrática da Conferência Municipal que revisou o Plano Diretor, convocada pela Prefeitura, o que compromete a legitimidade das decisões ali tomadas”. E ainda afirmou que “a luta em defesa da água, da vida e do meio ambiente continua, agora para convencer os vereadores de Contagem do grande erro que é essa alteração pretendida pela Prefeitura”. “Se cochilar”, alerta, “o cachimbo cai”.


Logo Minas Melhor Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Rua Rodrigues Caldas, 79 - 3º andar
Santo Agostinho - BH / MG

(31) 2108-7597 minasmelhoroficial@gmail.com
Copyright 2016 Minas Melhor.
Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes