Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes
 
 
Logo Minas Sem Censura Newsletter

Mais Notícias

 
 

Moradores de Congonhas não aceitam alteamento de barragem de rejeitos de minério

Assessoria de Comunicação/ALMG

 Foto: Guilherme Dardanham

Representantes de associações de moradores e de entidades de classe do município de Congonhas (Região Central do Estado) entregaram à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) um abaixo-assinado exigindo que a barragem de rejeitos de minério de ferro da mina Casa de Pedra, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), não seja alteada acima da cota atual de 933 metros. Eles temem a ocorrência de um acidente de graves consequências socioambientais, como ocorreu em 2015, em Mariana (Região Central), com o rompimento da barragem de Fundão, da Samarco.

O documento foi entregue ao presidente da comissão, deputado Cristiano Silveira (PT), durante audiência pública realizada na noite de terça-feira (3/10), no Cine Teatro Leon, no Centro da cidade. O pedido da comunidade contraria decisão da empresa que aguarda licenciamento para o alteamento da barragem desde 2014.

Localizada a menos de 300 metros do perímetro urbano, a barragem fica próxima a bairros populosos, como o Residencial e o Cristo Rei, onde vivem centenas de famílias. Segundo o plano de gestão de risco da própria CSN, Casa de Pedra é a represa mais próxima de uma área urbana no Brasil e um eventual rompimento da barragem atingiria, de imediato, 350 casas, com 1.500 vítimas.

Visita - Conforme relatório de visita da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da ALMG, que esteve lá em 18 de setembro, a mina Casa de Pedra é a mais antiga em operação no Brasil e detém mais de 3 bilhões de toneladas em reservas, o que a torna a segunda maior do País, atrás apenas de Carajás, no Pará. Tem atualmente uma capacidade de produção de 30 milhões de toneladas/ano.

Há semanas, a CSN realizou trabalhos para conter um ponto de umidade na barragem. A movimentação de caminhões no local chamou a atenção dos moradores. Foram colocadas pedras, areia e brita para melhorar a drenagem do solo e evitar qualquer tipo de dano à estrutura. Fiscais do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) estiveram no município para acompanhar as atividades.

Moradores se sentem ameaçados

O deputado Cristiano Silveira, autor do requerimento para a audiência, ressaltou que “o primeiro direito humano é o direito à vida” e que a comissão atendeu a pedido dos moradores, que se sentem ameaçados.

“A mineração é a principal atividade da nossa economia, gera riquezas, mas, ao mesmo tempo, provoca tragédias, perseguições e mortes. É ameaça à saúde, ao meio ambiente e à segurança. Não somos contra a atividade, mas defendemos uma mineração sustentável. Nosso trabalho precisa ser, acima de tudo, de prevenção”, salientou.

Rodrigo Ferreira da Silva, representante da comunidade de Congonhas, Laércio Geraldo Rodrigues da Silva, da Associação Cristo Rei, e Warley Ferreira Costa Braúna, da Associação Bairro Residencial, entre outros líderes comunitários, narraram a rotina de medo e intranquilidade das famílias que vivem próximo à barragem e criticaram a empresa por não consultar a comunidade. Os moradores temem que a estrutura da barragem não suporte receber mais rejeitos.

Por isso, pedem que uma comissão seja criada, no âmbito da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad), com a participação de representantes da comunidade, para acompanhar o processo. A comissão encampou o pedido e vai apresentar à Semad requerimento nesse sentido.



Logo Minas Melhor Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais
Rua Rodrigues Caldas, 79 - 3º andar
Santo Agostinho - BH / MG

(31) 2108-7597 minasmelhoroficial@gmail.com
Copyright 2016 Minas Melhor.
Facebook Youtube Twiter Sound cloud
nas redes